partiu estagio 2

A Policlínica Regional do Extremo Sul, com sede em Teixeira de Freitas/BA, inaugurada com toda a pompa pelo governador Rui Costa (PT), em 17 de novembro último, já começou receber denúncia de desvios de recursos e malversação do erário público.

A Policlínica foi concebida como alternativa para a melhoria da saúde na região, com a participação ativa do Governo do Estado, entretanto, é gerida pelo Consórcio Público Interfederativo de Saúde do Extremo Sul da Bahia (Consaúde), composto pelos 13 (treze) municípios que compõem a região e presidida pelo Prefeito de Teixeira de Freitas, Temóteo Alves de Brito (PSD), conta com repasse mensal por parte do Governo do Estado na ordem de 40% (quarenta por cento) dos gastos efetuados, sendo que os outros 60% (sessenta por cento) são rateados entre os municípios que compõem o consórcio.

O Consórcio Público Interfederativo de Saúde do Extremo Sul da Bahia (Consaúde), em assembleia geral ocorrida em 24 de março do presente ano, conduzida pelo seu presidente, prefeito de Teixeira de Freitas, Temóteo Alves de Brito (PSD), indicou a gerência administrativa para gerir a policlínica, sendo alçado ao cargo de diretor executivo, o Sr. Juliano Ferreira da Mota, este que seria “braço” direito do vereador Agnaldo Teixeira Barbosa (PR), o Agnaldo da Saúde, na ocasião também foram nomeados Bruna Frigeri (assessora especial), e Claudionor Alves Pinto (auxiliar administrativo).

O Governo do Estado enviou para a Policlínica uma frota composta por 07 (sete) ônibus para atender os pacientes dos municípios da região que compõem o consórcio, na ida e vinda de seus municípios de origem até a sede da policlínica, conforme informado à época, sendo que os ônibus seriam compostos com poltrona eletro-hidráulica para facilitar o acesso de cadeirantes e pessoas com necessidades especiais a embarcar no veículo, que possuem ar-condicionado e até TV com DVD.

Ocorre que no dia 17 de novembro, mesmo dia da inauguração, o Diretor Executivo da Policlínica Regional do Extremo Sul, Sr. Juliano Ferreira Mota, firmou contrato de dispensa de licitação (sem licitação) nº 013/2017, com a empresa A.B.A. LOCAÇÕES DE VEICULOS LTDA, o objeto do contrato seria para transportar pacientes do município de Jucuruçu para a sede da Policlínica em Teixeira de Freitas, bem como atender diversos outros serviços.

Senão bastasse a gravidade de uma contratação com ausência de procedimento licitatório, o que até o momento tem sido praxe da direção da Policlínica, a empresa contratada, no ato da contratação tinha menos de 60 (sessenta) dias de constituída, havendo inclusive sido inscrita no cadastro de pessoas jurídicas do Ministério da Fazenda em 19/09/2017, o que levar a crer que a empresa somente foi constituída com o intuito de firmar contrato a Policlinica regional de saúde.

A nossa equipe de reportagem esteve na sede da A.B.A. LOCAÇÕES DE VEICULOS LTDA, que fica localizada a rua Marechal Costa e Silva, nº 436, bairro Bela Vista em Teixeira de Freitas (rua lateral da sede funcional do Ministério Público do Estado). Como é possível vê pelas imagens, no endereço indicado não há nenhuma placa ou qualquer outra identificação da empresa. As portas estavam fechadas e permaneceram assim por todo o dia, pois, de 2 (duas) em 2 (duas) horas nossa equipe retornava ao local para verificar o funcionamento da empresa em dias alternados. Vizinhos que não quiseram se identificar, disseram a nossa equipe que nunca viram aquele imóvel funcionando nenhuma empresa de locação de veículos.

 

No último dia 20 de dezembro, o diretor executivo, o Sr. Juliano Ferreira da Mota, prorrogou por mais 60 (sessenta) dias o contrato suspeito com a empresa A.B.A. LOCAÇÕES DE VEICULOS LTDA.

Tentamos entrar em contato com o Sr. Juliano Ferreira da Mota, más, até o fechamento da matéria não conseguimos, e mais uma vez o portal continua aberto para qualquer esclarecimento do Diretor, se houver.

A nossa equipe segue investigando os contratos firmados pela diretoria da Policlínica e em breve mais reportagens irão demonstrar os bastidores obscuros dessas contratações.

Por conter verba federal do Sistema Único de Saúde, toda a documentação que  subsidiou a reportagem será encaminhada ao Ministério Público Federal para que faça a devida apuração do caso.

Com informações: Vanderlei Filho - Zero Hora News - A informação que faz a diferença