A 2ª Promotoria de Justiça de Tucano, no Nordeste Baiano, instaurou procedimento preparatório para investigar eventuais atos de improbidade administrativa praticados pelo prefeito Luiz Sérgio Soares de Souza Santos (PSD). De acordo com o órgão do Ministério Público da Bahia (MP-BA), os contratos firmados pela prefeitura ultrapassam R$ 4 milhões Segundo o MP, a Cooperativa COOPASAUD, contratada por R$ 441.629,87, para prestação de serviços especializados para a Secretaria Municipal de Saúde, teria praticado diversas irregularidades. Entre elas, erro médico; remoção irregular de paciente para casa de apoio; não fornecimento de relatório médico, de medicamentos a paciente portadora de doença renal crônica, e de medicamento não incorporado no âmbito do SUS; não agendamento de cirurgia de correção da síndrome do túnel do carpo bilateral, além da não realização de exame médicos. Também são investigadas supostas irregularidades que teriam ocorrido no processo administrativo para contratação da empresa Villa Rica Multiserviços Ltda, que firmou três contratos com o Município, os quais somam mais de R$ 2 milhões.  A mesma empresa foi contratada para prestar serviços de engenharia para limpeza urbana, para atender a Secretaria de Obras e Serviços Urbanos, manutenção e conservação de jardins e áreas verdes, e também para prestação de serviços de limpeza de prédios públicos, portaria, copa e cozinha para atender as necessidades das Secretarias de Educação e Administração. Os valores dos contratos são R$ 1.250.200, R$ 950 mil, e R$ 1.212.750, respectivamente. O MP investiga ainda supostas irregularidades no processo administrativo para contratação da empresa Simões Filho Ser. Com. Auto Peças Ltda, com a qual a prefeitura firmou contrato no valor de R$ 157.240, oriundo de dispensa de licitação, para locação de veículos para atender a estrutura administrativa.

Zero Hora News (A informação que faz a diferença)