Em Teixeira de Freitas a saúde pública enfrenta situação de caos. De um lado um Prefeito com pouca vontade política, de outro, profissionais insatisfeitos, que não são valorizados devidamente, com salários atrasados, em um processo de sofrimento profissional. Quem paga a conta e vive as consequências deste quadro é a população usuária, que enfrenta esta crise de frente.

As verbas destinadas à saúde teixeirense pela Prefeitura são insuficientes, e para concluir isso não é preciso ser nenhum estudioso do assunto, e ainda sim estar sofre ataque corrosivo de dois fatores: desvio e corrupção, resultado de uma má gestão com prejuízos astronômicos.

Corredores hospitalares superlotados, pacientes deitados nas macas, nos corredores, em péssimas condições de higiene e saúde: eis o duro retrato da realidade teixeirense na área da saúde. A falta de leitos, materiais e, principalmente, médicos são algumas das mazelas que a população enfrenta em hospitais público teixeirense devido ao pouco investimento no setor.

Diante desse quadro, em Teixeira, o alcaide afim de esquivar de sua responsabilidade, colocar a “culpa” nos secretários de saúde que tiveram na frente da pasta, que diga-se, o alcaide não dá nem autonomia, nem muito menos disponibiliza recursos suficientes para que a Saúde saia da UTI, expressão utilizada pelo próprio.

Na data de ontem (07/01), com toda pompa, durante evento na Câmara de Vereadores de Teixeira de Freitas, o Prefeito Temóteo Brito (PSD) anuncio o nome do capixaba Fabiano Marily como novo Secretário de Saúde de Teixeira de Freitas em substituição a Max Almeida.

Com a nomeação de Fabiano Marily, o município de Teixeira de Freitas terá seu quarto Secretário de Saúde em dois anos de mandato do atual gestor, um recorde.

Relembre

Temóteo Brito iniciou seu governo em 01 de janeiro de 2017 nomeando o professor José Archangelo Depizzol como titular da pasta de saúde, que no dia 6 de agosto do mesmo ano acabou removido para a secretaria municipal de Meio Ambiente e em seu lugar foi empossado Rodrigo Kuada Soares, que na época era diretor do Núcleo Regional de Saúde (NRS), antiga Diretoria Regional de Saúde (DIRES).

Em 05 de janeiro de 2018, Rodrigo Kuada foi substituído por Max Almeida dos Santos que agora em 07 de janeiro de 2019 deixa a pasta para dá lugar o capixaba Fabiano Marily. Até agora o Secretário que durou mais tempo no cargo foi o próprio Max almeida ficando um ano à frente da pasta, seguido de José Archangelo Depizzol que ficou sete meses e em terceiro Rodrigo Kuada que ficou cinco meses, resta saber agora quanto tempo durará o novo Secretário de Saúde, “importado de terras capixabas”, quem viver verá!

Da Redação do Zero Hora News

Foto capa créditos: Bahia Extremo Sul, Liberdade News, O Xarope, Pauta Diária.