A Associação Nacional de Jornais ( ANJ ) reagiu na última terça-feira (30/10) à entrevista em que o presidente eleito, Jair Bolsonaro, atacou o jornal “ Folha de S.Paulo ”. Ao “ Jornal Nacional”, da TV Globo, o capitão da reserva acusou a publicação de propagar notícias falsas e ameaçou cortar verbas de publicidade do governo federal para veículos de imprensa que divulgarem informações que ele julgar incorretas.

“A ANJ rejeita com veemência os termos e o teor das declarações do presidente eleito Jair Bolsonaro ao reiterar ataques ao jornal ‘Folha de S.Paulo’”, disse a entidade, em nota.

A ANJ acrescentou ainda que “eventuais inconformismos com noticiário de veículos de comunicação não podem ser confundidos com inaceitáveis retaliações a jornais por meio de uso de verbas publicitárias oficiais”. Por fim, a entidade disse que “espera que o princípio da liberdade de imprensa, saudavelmente afirmado pelo presidente eleito em seu discurso após a vitória nas urnas, se manifeste na prática, o que inclui o respeito a opiniões divergentes e à independência editorial”.