Uma nova fase da Operação "Deuteronômio", que investiga possíveis fraudes em licitações na Câmara Municipal de Paracatu, na região Noroeste de Minas, distante 483 KM de Belo Horizonte, resultou na prisão do vereador e ex-presidente da Câmara Municipal, Ragos Oliveira dos Santos (PRTB). Ele foi preso às 6h50 da manhã da última quinta-feira (28/03) na rua da casa onde reside.

O vereador foi levado pra delegacia e, em seguida, para o presídio da cidade, onde aguarda instrução do processo. Ele já havia sido preso pela mesma operação em outubro do ano passado e solto no dia seguinte.

A ação é realizada pelo Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MP/MG) com apoio da Polícia Militar (PM) e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Segundo o MPMG, o mandado de prisão do vereador teve como base a garantia da ordem pública, risco de reincidência criminosa e gravidade dos crimes. Além disso, serviu para evitar a intimidação e coação de testemunhas ou destruição de provas.

A Câmara Municipal da cidade informou, em nota, que só vai se posicionar quando tiver mais informações do processo. 

Operação

A investigação apura a atuação de organização criminosa na câmara de vereadores da cidade para fraudar licitação de publicidade e comunicação. Segundo o MPMG, os valores utilizados retornariam como promoção pessoal para o vereador Ragos de Oliveira, então presidente da Casa, além de beneficiar assessores parlamentares e empresários.

Além do vereador, foram oferecidas denúncias contra outras cinco pessoas, mas a identidade destas não foram informadas. Na primeira fase da operação, em outubro do ano passado, foram cumpridos diversos mandados de busca e apreensão na Câmara Municipal de Paracatu e em uma empresa em Belo Horizonte. Na ocasião, Ragos foi preso, mas por portar munições de uso restrito.

Zero Hora News (A informação que faz a diferença) Foto crédito: Câmara Municipal de Paracatu