"Acabou com a gente", é assim que dona Delina Maltez, dona do cachorro baleado durante uma carreata pró-Bolsonaro, no interior da Bahia, define como se sente após o pitibull ser morto. O caso ocorreu na cidade de Muniz Ferreira, a 200 km de Salvador, no domingo (30/09).
De acordo com o relato de uma dos responsáveis pelo animal, o autor dos disparos desceu de um veículo, durante a passeata, e atirou três vezes contra o cachorro, que era “pitbull misturado”. “O cachorro era muito dócil e não avançou contra ninguém, mas estão alegando isso”, explica a responsável, que pede justiça para o ocorrido.
Em entrevista a reportagem, dona Delina disse que estava com a família, em casa, quando decidiu assistir a carreata que passava na rua. Ela contou que Marley e outros três cachorros da família, que são vira-lata, começaram a latir enquanto os carros passavam.
A dona do cachorro disse que estava com os quatro cachorros, na frente do imóvel, quando um homem que participava do movimento se incomodou com o barulho dos cães e atirou.
"Um homem saiu do carro aparentando muita agressividade  e deu um tiro no pé do Marley e, depois que o cachorro correu, ele deu mais dois tiros. Eu pedi calma, pelo amor de Deus não atire, não atire no bichinho! Mesmo assim, ele apontou o revolver e deu mais dois tiros. Meu cachorro correu latindo desesperado de dor para dentro de casa e quando vimos, estava morto no chão", contou Delina Maltez.
A dona do cachorro informou que o animal foi um presente para o filho, de 18 anos, que passou por um momento difícil com a morte do pai. "Ele estava muito triste, o pai dele era tudo para ele. O Marley passou a ser o companheiro e agora o menino não come direito, toda hora lembra dele", lamentou.
Segundo Delina, Marley nunca tinha mordido ninguém e não era agressivo. "Ele era dócil, brincava. Era um cachorro que obedecia a todos", lamentou.
Conforme a Polícia Civil, o homem que atirou no cachorro se apresentou na delegacia da cidade e disse, em depoimento, que se sentiu ameaçado e que agiu em legítima defesa. O homem foi liberado após ser ouvido. A dona do animal também prestou depoimento. O caso segue em investigação.

Zero Hora News(A informação que faz a diferença)com informações G1