Uma equipe da Universidade Federal do Pará (UFPA) desenvolveu um aplicativo de celular para auxiliar idosos no tratamento do Mal de Alzheimer. A ferramenta, chamada "MemoryLife", possibilita que os usuários trabalhem suas funções cognitivas e pode ser baixado gratuitamente.

O aplicativo tem o objetivo de ajudar os idosos a manterem as suas funções cognitivas por mais tempo, retardando a evolução da doença, mantendo-os mais independentes nas suas atividades diárias, além de incluí-los digitalmente.

“Acredito que, primeiro de tudo, é a oportunidade de colocar o idoso em contato com este tipo de tecnologia, incluindo-o digitalmente. Percebemos que muitos deles têm interesse de se apropriar deste tipo de tecnologia, ou já até utilizam, mas com outros fins. Além disso, o aplicativo é uma tecnologia relativamente barata e acessível à população, tendo um maior alcance”, ressalta a professora Kátia Omura.

O "MemoryLife" é uma iniciativa da professora Kátia Omura, da aluna Alanna Ferreira, da Faculdade de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (FFTO) e do estudante Ailson Freire, do curso de Engenharia da Computação.

Jogos inspirados no cotidiano

O aplicativo conta com jogos de memória e lógica, com diferentes níveis, para treinar os aspectos cognitivos mais afetados pela doença. Todos os jogos remetem ao cotidiano dos usuários, relacionados a atividades diárias dos idosos.

Uma atualização do MemoryLife será testada por idosos da Unidade de Atendimento à Pessoa Idosa Nosso Lar Socorro Gabriel e por integrantes da Associação Brasileira de Alzheimer (Abraz-PA). A nova versão contará com avaliação cognitiva dentro do aplicativo, para que o usuário e seu familiar possam acompanhar a evolução do idoso.

Zero Hora News(A informação que faz a diferença)