A estação mais quente do ano exige cuidados extras com a pele, ou seja, usar bastante protetor solar. No entanto, muitas pessoas evitam utilizar filtros com fator de proteção acima de 50. O motivo? A crença de que fatores mais altos não oferecem maior proteção. A notícia: eles oferecem sim! É o que diz estudo recente publicado no Journal of the American Academy of Dermatology (JAAD).

A equipe analisou dados recolhidos a partir da observação de cerca de 200 pessoas, entre homens e mulheres. “Estudos feitos em laboratório concluíram que fatores mais altos oferecem maior proteção, justificando o uso desse tipo de produto”, afirmou Murilo Drummond, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). 

A crença de que fatores mais altos não oferecem maior proteção passou a circular em 2011, quando a Food and Drugs Administration (FDA), agência que regulamenta remédios e alimentos nos Estados Unidos, afirmou que não havia evidências provando os benefícios clínicos no FPS acima de 50. Desde então, alguns dermatologistas passaram a recomendar o uso de fatores menores com base no tipo de pele do paciente.

Por que usar filtro solar?

Quando uma pessoa não utiliza diariamente o protetor solar, seja inverno ou verão, ela se expõe ao risco de desenvolver câncer de pele, que, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), é o tipo mais frequente de câncer no Brasil e corresponde a 30% de todos os tumores malignos registrados no país. O câncer de pele é mais comum em indivíduos com mais de 40 anos, principalmente com pele clara, sensível à ação dos raios solares.

A doença se manifesta em duas formas principais: o carcinoma basocelular, mais frequente e com maior chance de cura já que geralmente apresenta menos metástase (quando o câncer se espalha para outras partes do organismo), e o carcinoma epidermoide ou espinocelular, câncer de pele mais agressivo que aparece nas regiões do corpo com maior exposição ao sol, como rosto, cabeça, pescoço, braços mãos e pés. O carcinoma epidermoide pode dar origem a metástases nos pulmões, colo do útero e na mucosa da boca.

A exposição excessiva ao sol também pode causar o envelhecimento da pele (fotoenvelhecimento), que manifesta sintomas como pele ressecada (craquelada), áspera e manchada; além de deixar as rugas mais profundas e evidentes.

Para evitar esses problemas é necessário aplicar o protetor solar com, no mínimo, trinta minutos de antecedência para que o filtro possa penetrar na pele. Já a reaplicação está sujeita ao tempo de exposição, mas a recomendação para o caso de piscina ou praia é a cada uma hora e meia; o mesmo vale para as pessoas que trabalham ao ar livre.

Zero Hora News ( A informação que faz a diferença )