Em meio às crescentes discussões sobre o racismo no futebol europeu, a Associação de Futebolistas Profissionais (PFA), que representa jogadores da Inglaterra e do País de Gales, promoverá um protesto em suas redes sociais. Por meio da campanha "#Enough" ("Basta", em tradução livre), a entidade estimula que os jogadores deixem de usar as redes por um dia, a partir da manhã desta sexta-feira.

O protesto tem início marcado para as 9h de sexta-feira, com encerramento previsto para o mesmo horário, no sábado. A iniciativa tem como objetivo mostrar a união entre jogadores e cobrar por ações contra atos racistas dentro e fora de campo, seja das próprias redes sociais, seja das autoridades do esporte.

O boicote às mídias é uma das primeiras ações da PFA contra o problema. A entidade trabalha com a Football Association (FA), a federação de futebol inglesa, por mais providências e por pressão sobre a FIFA e a UEFA sobre o incidente.

Recentemente, o lateral-esquerdo Danny Rose, do Tottenham, se manifestou de forma firme contra os episódios de racismo no futebol, do qual foi vítima, entre outras situações, na partida contra Montenegro, pelas eliminatórias da Euro 2020. Há pouco mais de uma semana, o jogador declarou que "mal pode esperar para encerrar a carreira" por conta do problema.

Rose é um dos embaixadores da campanha. Aderirão jogadores e jogadoras como Troy Deeney (Watford), Chris Smalling (Manchester United), Wes Morgan (Leicester) e Danielle Carter (Arsenal), entre outros.

''Eu não quero que os joadores do futuro passem pelo que eu passei na carreira. Coletivamente, não vamos parar enquanto tão pouco é feito pelas autoridades do esporte e redes sociais para proteger os jogadores desse abuso nojento'' desabafou o lateral.

Zero Hora News (A informação que faz a diferença)