São Paulo e Palmeiras: primeiro jogo da semifinal do Paulistão, no Morumbi. Entre 43 mil pessoas, uma imagem silenciosa de uma simples camisa roubou a cena.

''Eu vi todo mundo com a camiseta do São Paulo, e eu estava com a camiseta normal. Aí eu falei "cara, todo mundo com a camiseta, só eu vou estar lá sem camiseta?" disse o são-paulino Jhonatan Silva.

''Eu vi um cara lá que me disse que era 35 reais. Era o que eu tinha, e eu comprei. Olhei atrás e vi o nome e o número do Hernanes. Aí coloquei e entrei feliz para comemorar. Eu nunca imaginava que isso ia dar tanta repercussão'' admitiu o torcedor de 22 anos.

''Um cara me zoou dizendo que a camisa tinha entortado tanto o varal que as letras até foram para o lado. No momento eu dei risada, mas eu me senti constrangido por ser motivo de chacota. Fiquei triste, não é todo mundo que tem condições de comprar uma camisa original'' disse.

Morador da Vila Castelo, zona sul da cidade de São Paulo, Jhonatan postou no dia seguinte, em seu perfil numa rede social, a razão pela qual não tinha uma camisa oficial.A dona Terezinha, avó de Jhonatan, tem um câncer na cabeça e outro no pulmão.

''Não quero nunca perder minha vó tão cedo. Quando eu penso em perdê-la, me desespero'' disse , antes de chorar.

''Meu neto é meu sangue. Significa tudo para mim'' afirmou Tereza Teófilo.

Os jogadores do São Paulo viram a história do garoto. E o que chegou a ser piada, virou solidariedade.

O zagueiro Bruno Alves mandou uma camisa oficial já no dia seguinte. Mas o melhor ainda estava por vir: todos os jogadores receberam Jhonatan no CT da Barra Funda.

Zero Hora News (A informação que faz a diferença)